top of page

Quem nega o coronavírus e apoia o Governo é psicopata?



Não é incomum hoje, em meio à crise do COVID-19, presenciarmos diversos indivíduos se manifestando a favor de Jair Bolsonaro. Inúmeras cidades brasileiras tem lotado as ruas com seus veículos e promovido palavras de ordem como "ditadura já"; "a economia não pode parar" e "o coronavírus não existe, é coisa da esquerda" e por aí vai.


Por outro lado, quem não apoia o Governo e vai contra às ideias desses manifestantes tem os considerado psicopatas, pois, parece inconcebível defender uma ditadura, se lançarmos o olhar na história para conhecer as consequências que esse regime já provocou; defender a economia enquanto parte da população está definhando nos hospitais; e, principalmente, negar o vírus ou politizá-lo, já que é um problema mundial e não somente da direita ou esquerda brasileira. Tudo isso não somente coloca a vida do próprio indivíduo em risco como a do próximo.


O perfil de quem nega o coronavírus, acredita que ele seja de esquerda e que quer a volta da economia nada tem de psicopata. São indivíduos altamente moralizantes, sociáveis e empáticos com seus semelhantes, diferente do psicopata que apresenta uma falta de moralidade, sociabilidade e empatia. A maioria dos indivíduos desse movimento em prol do Governo e de negação do vírus trabalham, tem famílias, muitos são bem-sucedidos, possuem uma escolaridade acima da média do brasileiro, ou seja, são mais privilegiados que grande parte da população. Então, a única conclusão que se pode chegar é que eles são indivíduos normais.

(Foto: Divulgação)

Essa normalidade é simples: está na frase "sempre foi assim"; é o que denominamos de status quo, ou melhor, aquilo que está estipulado como bom, belo e correto, para determinado grupo. Este grupo de manifestantes entendem o presidente como um herói messiânico. Seguem seus comentários radicalmente, mesmo que ele volte atrás depois. Sabemos bem que só existe um herói quando seu arqui-inimigo é criado para que nele seja projetado tudo o que é ruim, feio e errado. Reduzindo a consciência humana à uma dualidade de bom/ruim; certo/errado; bonito/feio. Tudo o que for novo para a realidade desses indivíduos serão julgados e colocados ou na caixinha do bom ou na caixinha do ruim. Para estes indivíduos, a esquerda sempre esteve na caixinha do ruim/feio/errado, agora colocaram o Mandetta e o Moro, não à toa as imagens do Moro como Che Guevara tomaram a internet, recentemente. Não existem, para estes indivíduos, as nuances, os vários tons, a furtacor, etc..

Quem está nessa dualidade sempre irá se enxergar e entender o seu grupo como o correto, o bem e o belo e não será capaz de entender que em si também existe o errado, o mal e o feio. Ao não perceber em si tais características acabam por deixar o próprio mal correr à solta, justificando com a frase "sempre foi assim"; ou "mas isso é ruim/errado mesmo", etc.. Eles banalizam o mal que os habita. Acabam também por enxergar o mal somente no outro sem olhar para si mesmo, o que leva a uma maior dualidade. Esses indivíduos, normais, escolarizados e inteligentes tem tudo, menos um grau considerável de consciência. Não usam sua inteligência para pensar e discernir sobre o mundo, mas para cumprir ordens; não conseguem perceber que o mundo não é feito de caixinhas, mas de complexidades; tem medo de ter consciência pois é muito melhor ficar no conforto de se julgar como bom, correto e belo e não enfrentar o mal que os habita. Contudo, é somente reconhecendo o ladrão, o esfomeado, o violentador em nós que iremos minimizar os danos ao próximo.

52 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

コメント


bottom of page