top of page

Sobre "aquilo" que você não quer falar

Muitos de nós tem medo de ficar só, do silêncio, do ócio, até de sonhar e de qualquer outra forma que possa abrir o caminho para a imaginação fluir, conteúdos do inconsciente emergirem, etc.


Não sabemos o que vem de lá, o que sabemos é que há uma probabilidade enorme de ser algo que confronte a nossa consciência: se ela é razão, vem o absurdo; se ela é pensamento, vem o sentimento; se ela unilateral, vem a diversidade; se é masculina, vem o feminino e vice versa. E isso, muitas vezes, é inadmissível para a consciência.



Apesar de inadmissível, sabemos que esses conteúdos existem: sabe "aquilo" que nem gostaríamos de tocar no assunto? O "aquilo" que aconteceu conosco, ou que sentimos estar conosco desde sempre. "Aquilo" que minha psique total também é. Este "aquilo" pouco ou nada assemelha-se ao que Freud cunhou sobre o "id". Estamos falando aqui de uma perspectiva junguiana.


C. G. Jung mostra-nos que o "aquilo" que mais tememos é um dos nossos principais caminhos – é como se fosse um jardim descuidado que necessita de atenção, apesar de no começo refutarmos suas cores opacas e cheiros de decomposição. Vale lembrar que este jardim não ficará do mesmo tamanho ou pouco incomodando se não dermos atenção a ele. Uma hora ou outra, teremos que passar por ele.

Falar em passar pelo jardim daqueles medos, traumas, angústias e dos renegados em nós, é falar em sofrer. Temos que sofrer o jardim: passar por ele e deixar que ele passe por nós. Somente assim nós o transformaremos e ele nos transformará. Vale retirar qualquer julgamento da palavra "sofrer" para entendê-la de uma melhor forma.


Sofremos o tempo inteiro: neste exato momento você sofre com este artigo e você e eu estamos sofrendo de vida.


Quando "aquilo" ou aquele jardim que nos habita for enfrentado, não para ser destruído (muitos até tentam), mas para ser cuidado, toda putrefação tornar-se-á adubo. Daí podemos replantar, podar, reflorestar e continuar cuidando e sofrendo as estações cíclicas que é a vida.


Portanto, fica aqui a pergunta, você tem visitado o seu jardim?





Dr. Leonardo Torres, psicoterapeuta junguiano.

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page