top of page

Procrastinar com Qualidade

Com o advento da pandemia, trabalhar e estudar em casa foi, em um primeiro momento, uma promessa de melhoria de qualidade de vida. No entanto, alguns "inimigos" surgiram com mais força. Um deles é a procrastinação.


Não é incomum clientes, colegas e amigos relatarem que estão procrastinando mais e, em seguida, acabam por martirizarem-se por isso. O que leva a quadros de pânico, ansiedade, baixa autoestima e outros sintomas.



Na realidade, o grande inimigo não é a procrastinar. O inimigo real é a guerra que o indivíduo inicia com a procrastinação. No momento em que o corpo e a alma pedem pelo ócio – pelo fazer nada – , o indivíduo frusta-se e não vai buscar um ócio qualidade. Sua fuga são as redes sociais, por exemplo.


Quem navega nas redes sociais não se deixa levar pelo ócio. Acaba por rolar as notícias e curtir, comentar e compartilhar conteúdos. O indivíduo tenta anestesiar-se com as redes sociais para fugir do ócio e do medo proveniente dele. Ou seja, parece que ninguém mais dedica tempo para si mesmo, na verdade, parece que cada vez mais a atenção está voltada para o aparelho eletrônico e suas conexões virtuais.


A palavra "ócio" está intrinsecamente interligada da origem grega "sklolé", "escola", em português. Escola como ambiente, para os gregos, do "fazer nada" que gera grandes criações e invenções. Ou seja, há muito já se sabe que a procrastinação de qualidade é necessária para alcançar o seu contraponto: a proatividade e a produtividade. Se um indivíduo comum passa cerca de um terço do dia nas redes sociais, sem descansar, sem procrastinar, com certeza, a produtividade e a proatividade também serão afetadas.


Vale ainda entender que o ser humano não é uma máquina que mantém sua produtividade em constância e consistência. Somos pêndulos, em um momento precisamos procrastinar para em outro momento sermos produtivos.



Procrastinar com qualidade não é consumir imagens diversas: não é estudar, ver televisão, ficar nas redes sociais. Procrastinar com qualidade é colocar a referência em si. Pode-se, por exemplo, dormir: o sono produz uma homeostase psíquica e fisiológica. Expressões criativas como desenho e escrita também são bem-vindas. Meditações também podem ser uma procrastinação de qualidade.


O fato é que cada indivíduo deve encontrar o seu método de procrastinar com qualidade, a fim de centrar-se, isto é, passar um tempo consigo mesmo, com seu corpo e alma, para conhecer-se e compreender-se.





Dr. Leonardo Torres, analista junguiano.

259 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page